É Sampa, é São Paulo
Terrinha da garoa, terrinha dos assaltos
Cidade medo, cidade carro
É cinza e ensolarado
As vezes sem cor, as vezes abstrato
Me confundo se é uma empresa ou cidade, se é beleza ou vaidade
Em meio à diversidade o inusitado
O mendigo fazendo arte e o trabalhador apressado
Transito infernal, gente passando mal, vida parada no asfalto
Indiferença no olhar que não mais sonha, já não dorme por causa da insônia
Chega logo feriado! Quero sair dessa Selva de Pedras e me livrar do meu cansaço
É Sampa, é São Paulo
Terrinha da garoa, terrinha do chove não molha, terrinha dos desesperados.

 
Foto0976

Sampa